- E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne

 

 

O profeta Joel, profetizou em Judá em uma época muito difícil para o povo, época de muita seca e muita destruição por parte dos grandes ataques de gafanhoto, o povo estava em profunda miséria, todo capitulo 1 de Joel;

No capitulo 2, o profeta anuncia algo muito mais terrível, o dia do Senhor, dia que não é para se esperar e sim para temer, como preparativo para esse dia, o profeta anuncia a partir do verso 28, algo tão terrível como toda miséria porque passava o povo, mas, também previa algo maravilhoso, quando o Senhor Deus estaria presente na congregação do seus filhos.

 

   O ponto de partida da mensagem do profeta Joel é a terrível praga  e a seca que arrasaram a terra de Judá. Para o profeta essas desgraças são sinais do dia em que Deus julgará os povos de todas as nações e castigará os pecadores. O profeta apela aos israelitas para que se arrependam e voltem para Deus, que assim os abençoará e lhes dará de novo tudo o que os gafanhotos e a seca destruíram. Mais uma vez o povo será próspero e feliz, e em Jerusalém o Deus Eterno habitará com eles.

 

Não sabemos nada sobre o tempo em que o profeta deu ao povo a sua mensagem. Pensa-se que o livro foi escrito entre 450 e 350 antes de Cristo, durante o tempo em que a Pérsia dominava Israel.

 

A promessa de Deus de que enviaria o seu Espírito sobre todo o seu povo é citada pelo apóstolo Pedro no dia de Pentecostes (Atos 2.17-21). Naquele dia o Espírito Santo desceu sobre os seguidores de Jesus reunidos em Jerusalém.

 

 

28 - E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.

29. -  E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito.

30. -  E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça.

31.  - O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR.

32. -  E há de ser que todo aquele que invocar o nome do SENHOR será salvo; porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o SENHOR, e entre os sobreviventes, aqueles que o SENHOR chamar.

Há um novo salto temporal na profecia.

Quando acabou de anunciar a invasão inimiga, Jl 1:4-20; 2: 1-11, o profeta se refere a um tempo o “Depois”

Esse depois é o mesmo que o Apostolo Pedro se refere a “últimos dias” Tanto o profeta, como o apostolo, conclama o povo ao arrependimento, Jl. 2:12, At. 2:38, palavras proféticas; até sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei do meu espírito naqueles dias, e profetizarão, At. 2:18, Veja que Deus disse: “naqueles dias”.

O Senhor Jesus disse: “Permanecei, pois  na cidade(Jerusalém) até que do alto sejais revestido de poder”.Lc. 24:49 e At. 1:4, e disse mais: ide, portanto. Fazei discípulos de todas as nações...Mt. 28:19, estas palavras, identificam-se com aquelas de Joel, SERVOS E SERVAS Jl. 2:29, que entendemos povo Gentil, até sobre nós seria derramados porção do seu Espírito. E acontecerá que todo aquele que clamar o nome do Senhor, será salvo, Jl.2:32, eis ai uma boa orientação, clamar o nome do Senhor para ser salvo, seja gentil ou Judeu, derramarei do meu espírito sobre toda carne.

Ali no pentecostes, não foi uma norma para a igreja atual, e sim para a igreja primitiva, o apostolo Pedro disse: “varões judeus e todos os habitantes de Jerusalém, tomai conhecimento disto e atentai nas minhas palavras. Estes homens não estão embriagados como vindes pensando, sendo esta a terceira hora do dia. Mas o que ocorre é o que foi dito por intermédio do profeta Joel: At. 2:14-16”.

O Que se tem feito, é distorcer a palavra de Deus, é claro que se fosse uma linguagem estranha como se tem feito para empurrar goela abaixo dos fieis com certeza teríamos uma das condições, a saber:

1 – seria uma linguagem com vários vocábulos e um longo trecho falado, e não essa linguagem que os pentecostais alegam que falam, de cinco ou seis vocábulos; qual língua você conhece tão pobre, na verdade, nem os dialetos são tão pobres, quanto mais uma linguagem que eles dizem ser do anjos;

 

2 – Se fosse uma linguagem estranha como dizem, não estaria escrito na palavra de Deus; “Ora, estavam habitando em Jerusalém judeus piedosos, vindos de todas as nações debaixo do céu, At. 2:5;”

Quando, pois se fez ouvir aquela voz, afluiu a multidão, que se possuiu de perplexidade, porquanto cada um os ouvia falar na sua própria língua. At. 26. Seria então que cada um dos presentes também falava as tais línguas estranhas? Claro que não, esse “os ouvia falar em sua própria língua”, seria dito hoje mais ou menos assim: cada um os ouvia falar, japonês, português, espanhol, inglês, e vai por ai”.

 

3 – Não constaria da palavra de Deus que a mulher não pode falar na Igreja, I Co. 14:34, você, todavia, pode rebater como fazem aqueles que defendem o direito da mulher falar na Igreja, isso foi naquele tempo, que a mulher não tinha direito algum, nem podia se dirigir ao varão sem permissão desse, não estamos falando de direitos, estamos falando de culto à divindade, que quer ser cultuado pelo varão, e quem somos nós, para questionarmos o todo poderoso? Apenas sabemos, que, as mulheres falam em “línguas” na igreja, e como fica apalavra de Deus, e além disto, se Deus permite a mulher falar na igreja porque os tempos são outros, so tenho a dizer que então esse deus é deus e não Deus, porque não sabia que no século XXI, a mulher iria evoluir a esse ponto, pelo menos teria deixado uma brecha para caso isso acontecesse, mas você ainda pode dizer, mas eu conheço um cidadão ou uma cidadã que fala em línguas, não é isto que você está pensando? E você conhece a pessoa e tem certeza que ela não está camuflando nada, não é assim? Pois bem quanto a isto tenho lhe dizer que não acredito em tais línguas, acredito muito mais em obra do mal, pois a própria palavra de Deus diz que os demônios se revestem em anjo de luz, II Co. 14.

 

 

 

Após ser anunciada a invasão inimiga ( Jl 1:4  -20 ; Jl 2:1  -11), a necessidade de arrependimento ( Jl 2:12  ) e a restauração do povo após a invasão inimiga ( Jl 2:18  -27), temos um novo evento em um tempo estabelecido como sendo ‘depois’.

 

A expressão traduzida do hebraico para ‘depois’, refere-se à época messiânica, ou seja, é o mesmo que ‘nos últimos dias’, conforme o apóstolo Pedro interpreta em Atos 2 ( At 2:17  ).

 

Muito tempo depois, quando da restauração nacional de Israel, o Senhor promete derramar (concedê-lo sem medida) o seu Espírito sobre todos os homens, sem exceção, e os filhos e as filhas de Israel profetizariam, e os velhos teriam sonhos, e os jovens teriam visões da parte do Senhor.

 

O apóstolo Pedro cita 5 versos de Joel e os relaciona com o evento que se deu em Jerusalém no dia da festa do Pentecoste ( At 2:1  ). Do mesmo modo que na restauração de Israel o Espírito do Senhor seria derramado, semelhantemente o Espírito do Senhor foi derramado no dia da festa de Pentecoste, e muitos profetizaram e falaram em novas línguas.

 

Os discípulos estavam reunidos em um mesmo lugar(congregai, Jl. 2:16) no dia de Pentecoste (festa judaica), quando ouviram um som comparável a um vento forte (impetuoso) que tomou conta do recinto (casa).

 

Em seguida, os que ali estavam reunidos viram uma espécie de labaredas (línguas repartidas) comparável ao fogo, e estas pousavam sobre cada um dos que ali estavam reunidos.

 

Todos que ali estavam reunidos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em vários idiomas. A idéia da palavra ‘cheio’ diz de pleno, de plenitude. Refere-se ao que o apóstolo João anunciou: “Da sua plenitude recebemos, graça sobre graça” ( Jo 1:16  ; Cl 2:10  ).

 

Ou seja, da mesma forma que Jesus anunciou que ‘o Espírito do Senhor estava sobre Ele’ ( Lc 4:18  ), todos os cristãos passaram a estar cheios, plenos do Espírito Eterno, visto que tornaram-se templo e morada do Espírito ( 1Co 3:16  ).

 

Os turistas, por ocasião da festa do ‘Pentecoste’, que visitavam Jerusalém, ficaram perplexos ao ouvirem galileus falarem os seus idiomas (At 2:6), e o apóstolo Pedro, diante de tamanho alvoroço, posicionou-se diante da multidão e demonstrou que, aquele evento em particular tinha relação com o que o profeta Joel havia anunciado ( At 2:16  ).

 

 dddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddddssd29 E também sobre os servos e sobre as servas(povo gentil) naqueles dias derramarei o meu Espírito.

 

O apóstolo Pedro demonstrou que o Espírito do Senhor estava sendo derramado sobre todos os povos, até mesmo sobre os servos e as servas. Os versos 28 e 29 estão intimamente ligados.

 

O profeta Joel demonstra que o Espírito seria derramado sobre os filhos e as filhas do seu povo, e que também os servos e as servas seriam agraciados com o Espírito. Isto demonstra que, para Deus não há acepção de pessoas, visto que, os servos do povo do profeta eram como os estrangeiros, põem, até mesmo os gentios seriam agraciados com o Espírito ( Rm 10:12  ).

Quando o aposto Paulo falou: Dou graças a Deus, porque falo em outras línguas mais do que todos vós. Contudo, prefiro falar na igreja cinco palavras com meu entendimento(língua materna), para instruir outros, a falar dez mil palavras em outra língua. I Co. 14:18-19, Disse também: “pelo que, o que fala em outra língua deve orar para que a possa interpretar, I Co. 14:13”.

Nada, mas, nada mesmo, me convence que a língua tratada em  I Co 14, é essa meia dúzia que se diz nas reuniões nos templos quando se prega a Palavra de Deus.

Ora estavam habitando em Jerusalém, judeus, homens piedosos vindo de todas as nações debaixo do céu. At. 2:5, eram pessoa que falavam em línguas diferente, embora, fossem todos judeus, e eles ouviram os discípulos falarem em sua própria língua materna, isto foi a ação do espírito, hoje porem, não é mais necessário, pois alem de existirem os interpretes, existem os vários cursos de idiomas espalhado no mundo todo.

 

Isto é o que eu penso.

Por Olavo

www.estudosbiblicosnolar.net